Dia mundial da Água | Boi bebendo água | Premix
Crédito: Foto site Canal Rural
BLOGDestaque-blogManejo na pecuária

Dia da Água: O impacto na produção animal.

O Dia da Água, comemorado no dia 22/03/24, simboliza de maneira direta, a sua importância para o desenvolvimento da humanidade. Através dela, nós existimos, sendo que a nossa existência foi formada a partir de uma pequena célula, que se desenvolveu nos mares a mais de 4 bilhões de anos atrás. Mas o que esse dado incrível nos fornece e como isso impacta, por exemplo, na produção animal? Confira agora nosso artigo!

A água constitui cerca de 70% da composição corporal dos bovinos, evidenciando sua importância essencial para a saúde e eficiência produtiva desses animais. Ela é vital para funções biológicas como reações metabólicas, crescimento, reprodução, lactação, digestão, manutenção do equilíbrio mineral e hidrólise de biomoléculas. Além disso, a água facilita o transporte de nutrientes, hormônios, e a excreção de resíduos, além de ser crucial na regulação térmica.

O consumo hídrico dos bovinos é afetado por diversos fatores, incluindo o tamanho e crescimento do animal, fase produtiva, dieta, condições climáticas e qualidade da água. Notavelmente, a relação entre temperatura ambiente e peso corporal impacta diretamente a ingestão de água, especialmente em climas quentes, onde o consumo aumenta para manter a homeostase térmica.

Confira nos itens abaixo, o consumo de água por bovinos em diferentes condições de peso e temperatura ambiental:

  • Consumo de Água por Bovinos (em litros/dia)
    • Crescimento:
      • Em temperaturas de 10°C a 32,2°C, bovinos com 182 kg de peso consomem entre 15,1 e 36,0 litros de água por dia. Para bovinos com 273 kg, o consumo varia entre 20,1 e 48,1 litros, e para aqueles com 364 kg, o consumo está entre 23,0 e 56,8 litros.
    • Terminação:
      • Bovinos com 273 kg consomem entre 22,7 e 54,1 litros de água diariamente em temperaturas variando de 10°C a 32,2°C. Aqueles com 364 kg bebem entre 27,6 e 65,9 litros, e bovinos com 454 kg, o consumo varia entre 32,9 e 78,0 litros por dia.

A qualidade da água, abrangendo aspectos físicos, químicos e microbiológicos, influencia o consumo hídrico e o desempenho produtivo dos bovinos. A turbidez, por exemplo, pode afetar a ingestão de água, sendo a limpeza regular dos bebedouros uma prática recomendada para manter a qualidade hídrica.

Parâmetros como a dureza da água e a concentração de sólidos totais dissolvidos são essenciais, com altos níveis podendo impactar negativamente a saúde e a produtividade, especialmente em condições de calor. A presença de nitratos acima dos níveis seguros pode comprometer o transporte de oxigênio no sangue, levando a problemas respiratórios em casos graves.

A qualidade microbiológica da água é fundamental para a saúde animal, com a presença de patógenos como “E. coli” indicando potencial contaminação e risco de doenças. Diferenças no desempenho dos animais foram observadas em relação à fonte de água, com ganhos de peso inferiores em animais que consomem água de açudes em comparação aos que bebem de bebedouros.

Portanto, a gestão da qualidade da água é crucial, pois impactos na redução do consumo hídrico podem diminuir a ingestão de matéria seca, afetando o desempenho e a rentabilidade dos bovinos.

E para fecharmos com chave de ouro, em uma recente entrevista no programa Giro do Boi, Fernando Loureiro, veterinário renomado e CEO da Rubbertank Brasil, reforçou a importância crítica da água na produção animal. Assista ao vídeo abaixo e confira.

Quer saber mais sobre como a Premix pode auxiliar no aumento da sua produtividade?

FALE COM O NOSSO TÉCNICO DIGITAL CLICANDO AQUI. 

Referências

Panzera, A. A. Frequência de limpeza de bebedouros sobre o consumo de água e de materia seca de animais Nelore em confinamento comercial. Dissertação (mestrado em Zootecnia) – Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, p. 26, 2021.

Wagner, J. J. and Engle, T. E. Invited Review: Water consumption, and drinking behavior of beef cattle, and effects of water quality. Applied Animal Science, v. 37, p. 418-435, 2021.

 

Você pode gostar

Mais em:BLOG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *