Notícias

Pecuária de Valor Sustentável: as novas tendências tecnológicas aplicadas no setor


 

pmx_artigo-luis-600

Nos últimos anos, a pecuária foi um dos poucos setores produtivos do País que apresentaram índices favoráveis de superávit econômico, podendo ser considerada um dos principais pilares de crescimento nacional. O cenário de forte desenvolvimento do setor tem exigido, cada vez mais, a aplicação de novas técnicas de manejo que possam tornar a pecuária mais rentável ao pecuarista e, sobretudo, mais sustentável, com menores riscos de contaminação do meio ambiente.

Atrelada às novas tendências do mercado pecuário nacional e internacional, a inovação e a sustentabilidade sempre foram alguns dos principais valores da marca Premix. Neste conceito, a empresa tem avançado em diferentes linhas de pesquisa biotecnológica aplicadas aos estudos zootécnicos, a fim de oferecer ao setor pecuário novos produtos que, alinhados ao manejo de forma sustentável, aumentem a produtividade do rebanho, deixando seu trabalho mais rentável e seguro.

Dentro do conceito metabólico, a principal fonte energética dos animais ruminantes é proveniente do processo fermentativo, que ocorre a partir da degradação da dieta, basicamente de origem vegetal. Este processo é realizado graças à presença de uma rica população de microrganismos primários que se relaciona de forma benéfica com os ruminantes, produzindo a partir da fermentação ruminal diversos metabólicos importantes na forma de nutrientes energéticos para estes animais.

No entanto, considerando o complexo dinamismo da microbiota ruminal, parte da energia alimentar gerada a partir da fermentação é consumida por um grupo secundário de microrganismos, podendo causar um déficit no balanço energético dos animais, resultando em dificuldades no ganho de peso e aumento na produção de gases, como CO2 (dióxido de carbono) e CH4 (metano), responsáveis pelo agravamento do efeito estufa.

A presença de aditivos na alimentação dos ruminantes se faz necessária para que a manutenção do equilíbrio da população microbiana possa favorecer e otimizar o processo metabólico fermentativo da dieta destes animais, aumentando os índices de produtividade do rebanho, com destaque ao meio ambiente, para reduzir a emissão animal de gases responsáveis por agravar o efeito estufa.

Atualmente, os principais aditivos convencionais utilizados na dieta animal são classificados como ionóforos ou antibióticos. Apesar de exercerem seus efeitos benéficos no metabolismo dos animais, quando despejados ao meio ambiente através das fezes, ao longo do tempo oferecem sérios riscos quanto ao desenvolvimento de resistências microbianas, podendo ainda causar a perda da eficácia terapêutica dos antibióticos atualmente disponíveis no mercado.

Neste cenário, o Departamento de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I) da Premix criou diversas linhas de pesquisas com o objetivo de elaborar um produto que pudesse ser aplicado no campo, alinhando, principalmente, os conceitos de sustentabilidade e rentabilidade. Para essa atual tendência de mercado, um amplo know-how de pesquisas foi criado, para gerar novas soluções tecnológicas como forma alternativa aos aditivos convencionais, dando destaque para a utilização de substâncias de origem natural.

Dentro deste conceito, o Fator P foi projetado e desenvolvido utilizando tecnologia 100% de origem natural e nacional, para ser utilizado como uma opção moderna de aditivo na dieta de ruminantes. Nesta condição, o produto pode ser incluído neste novo conceito de geração de aditivos naturais, pois é formado por uma complexa combinação de aminoácidos, probióticos e ácidos graxos essenciais, como ômega 3 e ômega 6, além de minerais orgânicos e surfactantes. Dessa forma, a aplicação do Fator P na dieta dos animais tende a ser uma prática cada vez mais elegante, segura e confiável para o pecuarista, indo de encontro principalmente com as novas tendências de mercado, associando sustentabilidade e rentabilidade.

Uma das iniciativas da Premix é agregar as melhores práticas através de novas campanhas de comunicação ao mercado, que possam mostrar ao pecuarista os benefícios da inclusão da tecnologia Fator P na dieta dos animais, com o aumento de seus lucros, sem prejudicar o meio ambiente. Dessa forma, a campanha “Pecuária de Valor Sustentável” orienta o pecuarista sobre como as modernas práticas de manejo podem se tornar favoráveis para que o trabalho no campo seja cada vez mais rentável, sendo vista a partir de um simples balanço contábil das despesas na propriedade.

Neste caso, a eficácia do Fator P como aditivo na dieta para ruminantes tem sido demonstrada através de vários estudos metabólicos já publicados cientificamente, que mostram que o produto pode agregar maior estabilidade e aumento no desempenho do metabolismo animal. Sendo assim, o uso do produto pode trazer inúmeros benefícios, como melhora na ingestão e absorção de alimentos fibrosos e, principalmente, na disponibilidade energética originada da dieta, com aumento de até 20% no ganho de peso e nos índices de produtividade. Também oferece melhorias na qualidade da carcaça e da composição do leite em bovinos leiteiros, favorecendo a reprodução das matrizes e a resposta imunológica, reduzindo os gastos com o manejo sanitário.

Além destas vantagens destacadas em relação a performance do desempenho na produção animal, a inclusão do Fator P na dieta pode deixar a prática cada vez mais sustentável, reduzindo os impactos ambientais causados pelo setor pecuário.

Dados obtidos a partir de índices zootécnicos mostraram que a melhora da dinâmica da microbiota ruminal e a estabilidade metabólica na fermentação podem reduzir em até 36% a emissão animal de gases responsáveis pelo agravamento do efeito estufa por arroba produzida. Ainda, os benefícios em relação à segurança animal e ao meio ambiente podem ir mais além, pois o produto foi projetado estrategicamente para que o mecanismo de ação biológica dos componentes do Fator P sobre a microbiota ruminal pudesse ser diferente dos aditivos convencionais, reduzindo assim as chances de evolução da resistência microbiana, podendo o produto ser utilizado sem restrições.

Neste caso, também, os produtos de origem natural e orgânica tendem a oferecer menores riscos ao meio ambiente, através da rápida degradação e curto tempo de meia vida quando lançados através das fezes dos animais, se tornando, assim, uma prática segura aos animais e humanos, além de ambientalmente correta, por não gerar resíduos contaminantes para o solo e água.

As margens de rentabilidade podem ainda se tornar mais favoráveis e sustentáveis em função da utilização de matérias primas de origem natural e nacional, com maior disponibilidade de obtenção na natureza, uso de fontes renováveis e tendendo ao baixo custo de investimento, se tornando como uma opção mais vantajosa e viável para o pecuarista.

Portanto, a necessidade de aumentar a produtividade do setor pecuário tem exigido cada vez mais o uso de práticas de manejo que tornam o segmento mais rentável. Neste caso, os avanços tecnológicos quando aplicados no campo tem contribuído de maneira favorável para deixar o trabalho do pecuarista mais lucrativo e sustentável. Neste conceito, o Fator P se enquadra como uma opção de aditivo para ruminante bastante promissora e competitiva para mercado, atendendo às necessidades do setor sob o ponto de vista lucrativo e sustentável, oferecendo ao consumidor final um produto com qualidade e segurança.

Luis Eduardo Ferreira é biomédico e doutor em Biotecnologia. Atualmente é analista de Pesquisa e Desenvolvimento do Departamento de PD&I da Premix.

 

Entre em contato
com um dos nossos consultores